Carro 100% autônomo está longe, diz executivo da dona do Google: ‘Até humanos têm de ser tirados da frente do volante às vezes’

Empresa que desenvolve a tecnologia é campeã de quilômetros rodados sem motorista e conta que semáforo pifado e desvio improvisado já são ‘fichinha’ para esses veículos

Nem todo mundo liga o nome Waymo ao Google. Mas ambas as empresas estão à frente do maior “intensivão” de carros autônomos que existe.

A Waymo foi criada para tocar tudo o que o Google começou a desenvolver nessa área. Localizada fora do complexo onde fica a “irmã”, mais ainda na cidade de Mountain View, na Califórnia, ela completou 16 milhões de quilômetros rodados com carros que andam sozinhos nos Estados Unidos.

É comum andar pelas cidades próximas, incluindo a turística São Francisco, e topar com um dos veículos brancos da Waymo rodando nas ruas. Assim como os carros comuns, eles também têm uma pessoa sentada no banco do motorista: mas é só para ver a máquina trabalhar e atender a uma exigência da lei.

Visualmente, os carros autônomos da empresa só diferem dos demais porque contam com câmeras e outros apliques em cima e ao redor da carroceria, além de um grande W nas portas.

Eles só não estão nas lojas: veículos que dispensam totalmente motoristas ainda não são vendidos em nenhum lugar do mundo.

Mas a chamada autonomia parcial ou restrita já existe em modelos comercializados até no Brasil: elas permitem que o carro ande sozinho por alguns quilômetros, dentro de certos limites.

E nada de “desencanar” nesse tempo: alertas verificam se o motorista está atento e “exigem” que ele demonstre que pode assumir o volante a qualquer instante. É a mesma autonomia parcial que existe nos carros da Tesla, a primeira a registrar um acidente fatal quando esse tipo de sistema estava ativo, em 2015.

Quando, afinal?

Mas quando, então, será possível deixar o carro nas “mãos” da máquina e aproveitar o tempo no trânsito para tirar um cochilo, atualizar as redes sociais ou começar a trabalhar? Para um dos executivos à frente da Waymo, isso não chega tão cedo.

“O nível 5 (considerado de autonomia total) está longe. Nem os humanos são capazes de estar o tempo todo à frente do carro. Até mesmo eles têm de ser tirados da frente do volante algumas vezes”, compara Dmitri Dolgov, chefe de engenharia.

O foco dos carros autônomos da Waymo, segundo ele, ainda é aperfeiçoar o aprendizado conseguido entre 2009, quando os primeiros testes começaram no Texas, e agora, com milhares de quilômetros percorridos.

Fonte: G1

Pin It

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Protected by WP Anti Spam